• Rafael Biasi

Apostas Esportivas: Importantes Dados sobre o Mercado e Apostadores Brasileiros



1. Panorama geral da pesquisa

Em junho deste ano, com base nos dados da Industry Insights - Telecom, Plataformas e Serviços de Educação e de autoria da Inteligência de Mercado Globo, uma extensa pesquisa foi elaborada com o título de “O mercado de apostas esportivas – Um panorama sobre o alcance global da atividade e do potencial dos players brasileiros”. É um estudo praticamente inédito no recente universo das apostas no Brasil.


O presente material expressa os conceitos e termos extraídos especificamente da pesquisa. Não há intervenções e mudanças dos termos adotados pelos seus autores.


2. As apostas esportivas no Brasil

Inicialmente cabe explicar a situação legal das apostas esportivas no Brasil: as apostas esportivas de quota-fixa foram legalizadas pela Lei Federal n. 13.756/2018 como uma modalidade lotérica. Apesar de ter a lei fixado o prazo de até quatro anos, as apostas esportivas de quota fixa ainda pendem de regulamentação pelo Poder Executivo federal. De 2018 até o presente momento foram debatidas formas diferentes de regulamentação e realizaram-se audiências públicas para compreender a realidade do setor. Segundo informações da Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria (SECAP), o início das operações se daria no primeiro semestre de 2022.


O mercado das apostas esportivas cresce cerca de 11,5% ao ano. Em 2020, o mercado global foi avaliado em US$ 59,6 bilhões – com um crescimento promissor esperado podendo chegar até US$ 127,3 bilhões em 2027.


No Brasil, o mercado de apostas esportivas alcançou a marca de R$ 7 bilhões de reais em 2020. No período entre 2018 e 2020, o setor cresceu de R$ 2 bilhões para R$ 7 bilhões.


3. A publicidade das apostas e o seu impacto no brasileiro

Um dos fatores relevantes para o potencial crescimento do mercado brasileiro nos últimos anos é o investimento publicitário de marcas internacionais consolidadas que visam explorar as apostas esportivas no Brasil:


Aliás, as casas de apostas estão diretamente ligadas aos números apresentados acima e são responsáveis por grandes investimentos nos clubes brasileiros. Atualmente, próximo de 30[1] times da Séria A e B do Campeonato Brasileiro foram ou são patrocinados por casas de apostas. O setor é responsável por mais de 60% de todo o patrocínio recebido entre esses clubes.


51% dos entrevistados concordam com a frase “Comecei a apostar depois de ser impactado por publicidade”. Além disso 71% lembram de ter visto a publicidade de algum site de apostas.


Entre as plataformas com circulação de publicidade lembradas pelos participantes, destacam-se Internet com 64%, Rede Social com 54%, TV por assinatura com 48%, TV aberta com 47%, Jornal com 16%, Mídia exterior com 16%, Revista com 16% e Rádio com 13%. No mais, 85% concordam ou concordam totalmente que sites mais conhecidos são mais confiáveis e 72% gostam de ver a marca que apostam ativa em publicidade.


4. O universo dos e-Sports

Antes de tratar dos dados relevados sobre e-Sports, é oportuno fazer uma diferenciação entre e-Sports e games. Resumidamente, o e-Sport é um esporte eletrônico com um ecossistema de competição e game é jogo eletrônico com prática, hábito de entretenimento e passatempo.


Os e-Sportistas (ou: cyberatletas) estão ligados diretamente ao videogame de forma competitiva estruturada, com ecossistema de competições realizadas, eventos, entre outros. Os gamers, por sua vez, são fãs de games e puramente jogam videogame como forma de entretenimento e hobby.


A indústria dos esportes eletrônicos está em franca expansão no Brasil, que é também um dos países com mais entusiastas no mundo, apenas atrás de EUA e China. A estimativa é que o mercado, a nível mundial, fature US$ 1 bilhão pela primeira vez em 2021, um avanço de 14,5% ao ano anterior.


Além disso, o gigantesco faturamento dos games já vale mais que as indústrias do cinema e da música juntas, especialmente após o isolamento social causado pela pandemia, que fez o setor crescer significativamente. Em 2019, a final da Copa do Mundo de League of Legends registrou a incrível marca de 99,6 milhões de expectadores.


5. As modalidades de apostas e os impactos nos brasileiros

Apostar online, para 67% dos brasileiros participantes da pesquisa, significa uma forma de entretenimento; para 43% um negócio; 38% consideram um esporte; 23% vêm como jogo de azar; e 12% entendem a prática como “algo ilegal”.


Além das apostas esportivas, a pesquisa revelou que os brasileiros investem também em Loteria Federal[2](69%), Fantasy Game[3] (38%), Cassino Online[4] (36%), Aposta Informal em assuntos diversos[5] (33%) e Bingo online[6] (32%).


Fantasy Game, que é modelo de jogo online onde os participantes escalam jogadores reais para times virtuais ou imaginários com base em algum esporte profissional, são utilizadas plataformas como Cartola FC (78%), ESPN Fantasy (57%) e Reis da Bola (50%), sendo os principais esportes o futebol (95%), o vôlei (48%), o basquete (52%) e o futebol americano (42%).


Já nos Cassinos Online, os brasileiros têm preferência para as modalidades como Blackjack (66%), Roleta (78%), jogos de mesa (64%), Slots[7] (63%), Vídeo Poker (61%) e jogos com crupiê ao vivo (50%).


Voltando às apostas esportivas: 12% dos participantes declararam que as apostas esportivas são sua principal fonte de renda e mais da metade afirma ter começado a apostar durante a pandemia (59%), enquanto 13% iniciaram entre 12 e 18 meses e 28% são apostadores há mais de 18 meses.


Falando em pandemia, diante da disponibilidade de tempo para se dedicar para apostas, a pesquisa revelou que 27% dos participantes aumentaram a quantidade de apostas; e, para 18% deles, a pandemia não afetou sua forma de apostar. Os mais cautelosos, cerca de 22%, optaram por apostas com menos riscos e 21% diminuíram os investimentos das apostas.


Para identificar o perfil do apostador a baliza é a frequência de suas apostas. A pesquisa revelou que 18% são “Super Heavy User” (7 vezes na semana), 16% são “Heavy User” (4-6 vezes na semana), 48% são “Medium User” (1-3 vezes na semana) e 18% são “Light User” (2-3 vezes no mês ou menos).


Enquanto isso, 55% dos apostadores são identificados como “moderados”, isto é, jogadores preservam a segurança nas apostas, mas gostam de arriscar às vezes; 33% são “conservadores”, evitam correr riscos; e 12% reputam-se “agressivos”, pois costumam se arriscar em busca de rendimentos maiores.


Sobre os investimentos mensais[8]: a pesquisa revelou que 18% investem até R$ 30,00; 17% entre R$ 31,00 e R$ 50,00; 9% entre R$ 51,00 e R$ 70,00; 18% entre R$ 71,00 e R$ 100,00; 17% entre R$ 101,00 e R$ 200,00; 9% entre R$ 201,00 e R$ 500,00; e 10% mais de R$ 501,00 em investimento mensal.


A escolha do site de aposta é geralmente influenciada por amigos, publicidades, redes sociais e outros. Mas os principais fatores, por grau de importância, revelados pelos participantes foram: (1º) rapidez nos pagamentos; (2º) bônus de incentivo (apostas grátis); (3º) ampla oferta de formas de transferência de valores, depósitos e saques; (4º) melhores cotações nas odds (probabilidades de ganho) dos jogos; e (5º) maior quantidade de modalidades esportivas, jogos e mercados dentro de cada jogo.


Entre os esportes mais apostados, a paixão do brasileiro por futebol, é claro, prevalece sendo apostado por 81% dos brasileiros. Enquanto isso, simultaneamente os apostadores também atuam em basquete com 33%, e-Sports 29%, Poker 26%, MMA 23%, Vôlei 23%, Corrida de cavalo 21%, Boxe 21%, Futebol Americano 21% e tênis com 19%.


Em se tratando de em futebol, o gráfico abaixo demonstra quais os campeonatos que mais recebem apostas:


Fonte: Industry Insights - Telecom, Plataformas e Serviços de Educação – Globo | Pesquisa “Brazilian Player: o mercado de apostas esportivas no Brasil” Jun21


Já os tipos de apostas, os mais populares são apostas simples[9] com 55%; a aposta múltipla[10] conta com 42% e dupla chance[11] com 36%.


6. Conclusão

A expansão do mercado das apostas no Brasil durante a pandemia foi fundamental para alavancar os expressivos números vistos nesta pesquisa. O setor vive uma realidade totalmente diferente de anos atrás, o que vem atraindo para o Brasil os principais operadores de apostas no mundo, que entendem que o país possui um mercado atrativo e promissor.


Por fim, a pesquisa aponta que o mercado bilionário de apostas esportivas se tornou uma febre no país e no mundo e nem mesmo o isolamento social foi capaz de frear os números do setor. Apostar tem sido uma oportunidade lucrativa não só para os amantes de esportes - que investem nas mais diversas modalidades, em especial no futebol - mas também para as marcas, que tentam aproveitar a alta visibilidade. Uma “win-win situation”, como dizem os apostadores, onde todos ganham.

[1] É oportuno registrar que na pesquisa o número exposto é de 14 dos 20 clubes da Série A e outros 11 na Série B. Porém, a pesquisa foi realizada em junho/2021, então os dados estão levemente desatualizados. [2] Loteria federal, exploradas pela Caixa Econômica Federal, é representada pelos produtos lotéricos popularmente conhecidos como Mega-Sena, Quina, Lotomania, Duplasena, Lotofácil, Timemania, Loteca, Lotogol, entre outros. [3] Um exemplo de Fantasy Game é o Cartola FC explorada pela Globo Comunicação e Particiações S/A. [4] Os Cassinos Online estão sendo explorados atualmente por empresas internacionais que operam com seu site sendo hospedado no exterior. [5] Por exemplo, Jogo do Bicho. [6] Os Bingos Online estão sendo explorados atualmente por empresas internacionais que operam com seu site sendo hospedado no exterior. [7] Máquinas de Caça-níqueis [8] Apenas 2% não utilizam dinheiro real e apostam somente com bônus ou dinheiro fictício [9] O participante aposta em um resultado e, se a sua previsão estiver correta, ele ganha. [10] Apostas em dois ou mais resultados, por exemplo, dois jogos de basquete distintos. A aposta múltipla paga somente se o resultado de todas as escolhas do participante estiverem corretas. [11] O participante escolhe dois dos três resultados possíveis (vitória, derrota e empate) – o que aumenta suas chances de ganhar, mas reduz o lucro em caso de acerto.